Cólera: Sintomas, Causas e Tratamentos

A cólera geralmente surge em contextos que envolvem superlotação e acesso inadequado à água limpa, recolha de lixo e casas de banho. A doença causa diarreia profusa e vómitos, que podem levar a morte por desidratação intensa, por vezes, numa questão de horas.

A cólera é uma infecção intestinal aguda causada pela ingestão de água ou alimentos contaminados. Os surtos de cólera podem ocorrer em épocas de chuva, quando as casas e latrinas inundam e a água contaminada se acumula em poças estagnadas.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), há cerca de 1,4 a 4,3 milhões de casos de cólera no mundo, e cerca de 28 mil a 142 mil mortes devido a esta doença todos os anos.

A cólera é causada por uma infecção no intestino pela bactéria Vibrio cholerae. Ela faz com que as células que revestem o intestino produzam uma grande quantidade de fluidos, que causam a diarreia e os vómitos.
O contágio ocorre quando há ingestão de alimentos ou água contaminada ou contacto com as fezes ou o vómito de uma pessoa infectada com a doença.

Fatores de risco 
Todas as pessoas são suscetíveis à cólera. Uma vez tendo contraída a doença, a pessoa torna-se imune à doença. Por isso, crianças que são filhas de mulheres que já tiveram cólera herdam a imunidade das mães, geralmente por meio da amamentação.
Alguns fatores podem tornar uma pessoa mais vulnerável à doença ou mais propensa a manifestar os sinais e sintomas mais graves da cólera. Estes são:

  • Más condições sanitárias
    A cólera pode surgir em ambientes que não disponham de condições sanitárias e higiênicas adequadas, com ausência de saneamento básico e de abastecimento de água potável, por exemplo.
  • Exposição
    Uma pessoa tem mais chances de desenvolver cólera se viver no mesmo lugar que uma pessoa infectada.
  • Ácido do estômago reduzido ou inexistente
    A bactéria da cólera não sobrevive num ambiente com pH muito ácido. Por isso, o ácido produzido pelo estômago muitas vezes serve como um tipo de defesa contra a infecção. No entanto, pessoas com baixos níveis de ácido do estômago – como crianças, idosos e pessoas que tomam antiácidos, por exemplo -, não dispõem dessa proteção, o que os coloca imediatamente em risco alto de contrair cólera.
  • Tipo sanguíneo
    Por razões que ainda não são totalmente claras, as pessoas com sangue tipo O são duas vezes mais propensas a desenvolver cólera do que pessoas de outros tipos sanguíneos.
  • Frutos do mar crus ou mal cozidos
    Alimentar-se de mariscos oriundos de águas conhecidas por abrigar as bactérias aumenta muito o risco de uma pessoa contrair cólera.

Sintomas de Cólera 
Geralmente, os sintomas aparecem dois a três dias após a infecção, mas podem surgir em algumas horas ou até cinco dias ou mais.
A maioria das pessoas expostas à bactéria causadora da cólera não manifesta sintomas e às vezes nem sabe que está infectada. Esses casos são chamados de assintomáticos. No entanto, mesmo quem não manifesta os sintomas da doença pode infectar outras pessoas. Isso acontece porque a pessoa infectada continua a excretar bactérias nas suas fezes durante uma a duas semanas.
Os casos sintomáticos da doença, isto é, quando há manifestação de sintomas, principalmente a diarreia, são facilmente confundidos com outros problemas de saúde.
Apenas uma em cada dez pessoas infectadas pela bactéria que provoca a cólera desenvolve os sinais e sintomas típicos da doença, normalmente poucos dias após a infecção.

Os sintomas da cólera podem incluir:
• Diarreia
• Náuseas e vómitos, principalmente durante a fase inicial da infecção

A desidratação em decorrência da perda de líquidos pode levar a outros sintomas:
• Irritabilidade
• Letargia
• Olhos encovados
• Boca seca
• Sede excessiva
• Pele seca e enrugada
• Pouca ou nenhuma produção de urina
• Pressão arterial baixa
• Arritmia cardíaca
• Desequilíbrio eletrolítico.

A desidratação pode levar a uma rápida perda de minerais do sangue (eletrólitos) – um problema que é conhecido como desequilíbrio eletrolítico. Este pode levar ao surgimentos de novos sinais e sintomas, como:
• Cãibras musculares
• Choque, que ocorre quando o volume de sangue baixo provoca queda na pressão arterial e na quantidade de oxigênio no sangue – o que, se não tratado, pode levar uma pessoa a óbito em questão de minutos.

Diagnóstico de Cólera 
Embora os sinais e sintomas de cólera sejam inconfundíveis em áreas endêmicas, a única maneira de confirmar o diagnóstico da doença é identificar a bactéria numa amostra de fezes.
Testes rápidos de cólera já estão disponíveis, permitindo que os profissionais de saúde em áreas remotas possam fazer o diagnóstico precoce de cólera e dar início o quanto antes ao tratamento. A confirmação mais rápida da doença ajuda a diminuir as taxas de mortalidade e a controlar os surtos de cólera e uma possível epidemia.

Tratamento de Cólera 
A cólera requer um tratamento imediato. Se não for tratada, a doença pode levar à morte em poucas horas. Os meios terapêuticos existentes e viáveis para cólera são:

• Reidratação
O objetivo dessa terapia é repor os líquidos e eletrólitos perdidos, através da utilização de uma solução simples de sais para reidratar os pacientes, chamada de SRO. A solução de SRO está disponível como um pó que pode ser dissolvido em água fervida. Sem a hidratação necessária, cerca de metade das pessoas com cólera morrem. Com o tratamento, o número de mortes cai para menos de 1%.

• Fluidos intravenosos
Durante uma epidemia de cólera, a maioria das pessoas pode ser reidratada por via oral, mas quando a desidratação atingiu níveis ainda mais graves, o paciente pode precisar de fluidos intravenosos para sobreviver.

• Antibióticos
Embora os antibióticos não sejam parte essencial do tratamento de cólera, alguns desses medicamentos podem reduzir a quantidade e a duração da diarreia relacionada à cólera.

• Suplementos de zinco
A investigação demonstrou que o zinco pode diminuir e encurtar a duração da diarreia em crianças com cólera. Por isso, pediatras podem indicar o uso de suplementos de zinco para alguns casos da doença em crianças.

Prevenção 

• Lavar as mãos com água e sabão frequentemente. Se possível, desinfete as mãos com álcool.
• Beba apenas água potável, de preferência água engarrafada.
• Alimente-se de comidas completamente cozidas e quentes.
• Evite alimentos que se comem crus, como peixes e mariscos de qualquer tipo.
• Dê preferência a frutas e legumes que você pode mesmo pode preparar e descascar, como bananas, laranjas e abacates.
• Desconfie de laticínios, incluindo gelados, que muitas vezes podem ser feitos com leite não pasteurizado.

Vacina
Hoje em dia, já existem doses de vacinas disponíveis para a cólera. Esta é, de longe, a forma mais eficaz de evitar a infeção.

Fonte: MinhaVida, MSF

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s